Bastonário visita Santiago do Cacém e alerta para precariedade entre os psicólogos escolares

O bastonário da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP), Francisco Miranda Rodrigues, criticou recentemente a precariedade existente entre os psicólogos escolares, considerando que a falta de um vínculo laboral afeta também o trabalho que é desenvolvido com os pacientes.

“Continuam a existir profissionais que ano após ano não sabem o que vai acontecer à sua situação laboral no ano seguinte”, afirmou o bastonário à margem de uma visita que realizou, no passado dia 11, a vários projetos de promoção da saúde e respostas integradas no Concelho de Santiago do Cacém.

No seu entender, a precariedade nesta área “tem um problema acrescido”, uma vez que afeta o trabalho desenvolvido entre o psicólogo escolar e o paciente.

“O que é estar a fazer uma intervenção com uma criança e, no fim do contrato, imagine-se que não há renovação, fica aquela intervenção pendurada ou então obriga os psicólogos a fazerem as intervenções pró-bono, sem serem pagos, para não deixarem de o fazer”, criticou.

Para o representante dos psicólogos portugueses a “continuidade das intervenções tem de estar assegurada para as pessoas que beneficiam destes serviços e isso não é compatível com esta imprevisibilidade”.

Ainda assim, refere, esta situação “tem sido reduzida nos últimos anos, embora as reconduções sejam conhecidas apenas entre junho e julho, limitando não só a vida dos profissionais, como o acesso aos serviços que as pessoas têm”.

Relativamente “aos psicólogos que prestam apoio nas dependências, como o Centro de Respostas Integradas do Litoral Alentejano, que o bastonário visitou, no âmbito do roteiro “Trilhos da Psicologia”, a comitiva verificou que não há renovação dos quadros”.

“A sustentabilidade deste tipo de serviços está muito em risco nos próximos anos, ou seja estamos a falar de profissionais que estão há muitos anos a fazer o seu trabalho, mas não há para com os profissionais de nova geração qualquer vínculo que permita ficar mais do que dois ou três anos no serviço”, lamentou.

De acordo com o bastonário, há um risco acrescido de os atuais profissionais atingirem a idade da reforma, sem uma substituição efetiva de pessoas para “assegurar um serviço que tem uma elevadíssima especialização e especificidade”.

O bastonário esteve reunido com os responsáveis da Intervir.com, Associação de Promoção da Saúde, Desenvolvimento Social e Cultural, da Escola Secundária Padre António Macedo e do Centro de Respostas Integradas da Litoral Alentejano.

Durante a tarde, a Direção da OPP reuniu, na Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca, em Santiago do Cacém, com os psicólogos dos Concelhos de Grândola, Sines, Santiago do Cacém, Odemira e Alcácer do Sal.

Os “Trilhos da Psicologia” são uma iniciativa da Ordem dos Psicólogos Portugueses que consiste num conjunto de visitas a instituições locais, com o objetivo de conhecer melhor a realidade da intervenção psicológica de uma determinada região, promover e divulgar boas práticas e auxiliar na construção de redes de contacto locais, de forma a beneficiar os cidadãos da zona.

Helga Nobre